Varejo tem leve alta nas vendas no 1º semestre deste ano

Saque das contas inativas do FGTS foi o principal motivo para o avanço

Após dois anos seguidos de retrações significativas, o pior momento para o comércio varejista pode ter ficado para trás. A queda dos juros, a reação no crédito que ocorreu em junho, somadas ao recuo nos preços dos produtos, devem funcionar como uma alavanca nas vendas dos próximos meses. De janeiro a junho deste ano, o setor cresceu 4,8%, de acordo com dados divulgados pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL Manaus).

Conforme o presidente da entidade, Ralph Assayag, o crescimento foi de 0,8% ao mês no volume das vendas no primeiro semestre deste ano, comparado ao mesmo período do ano passado.

Assayag disse que, apesar das dificuldades, o comércio ainda não amargou queda em 2017. Segundo ele, no primeiro trimestre, o comércio teve alta de 0,7% e que no semestre o crescimento foi de 0,8%. “Tivemos um mês de junho bom e nenhum resultado negativo neste primeiro semestre, em que os menores resultados chegaram entre o crescimento de 0,2 a 0,3%”, comentou, dizendo que os dados são baixos, “porém, não sendo negativo, já é muito bom para o comércio. O nosso acumulado foi 4,8%, muito aproximado dos 5,1% do IBGE”, afirmou.

A confirmação de crescimento vem ainda, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), quando dados apontam crescimento de 5,1% nas vendas e de 7,7% na receita nominal. O desempenho do comércio local já recupera em parte a queda acumulada no mesmo período do ano passado. No Brasil, o semestre fechou com queda de 0,1% nas vendas e alta de 1,9% na receita.

Conforme o IBGE, em junho, o setor mostrou avanço de 0,5% em relação a maio no volume de vendas, na série com ajuste sazonal. Nessa mesma comparação, a receita nominal teve a mesma variação positiva. Já em relação ao mês de junho de 2016, o comércio varejista registrou aumento de 7,7%. No índice acumulado para os seis primeiros meses do ano, a variação foi de 5,1% para o volume de vendas, fechando com bom desempenho comparado ao mesmo semestre de 2016.

O presidente da CDL Manaus informou que o aumento ocorreu em decorrência dos saques das contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). “No estado do Amazonas circulou cerca de 480 milhões, com isso, as pessoas foram às compras e aproveitaram para sairem da inadimplência”, disse Assayag.

Quanto à diminuição da inadimplência no Estado, Assayag falou que nos meses de junho e julho, houve redução acima de 4%. No entanto, a maior média foi em maio, quando atingiu 4,6% o índice de pagamentos. Em junho, o dado chegou a 4,1% e em julho foi de 4%. “Houve uma boa queda por conta do pagamento das contas inativas, junto disso, em julho, tivemos uma redução bastante expressiva em demissões e já começou a mostrar um número razoável de crescimento em relação a economia”, ponderou.

Para o segundo semestre, o presidente da CDL Manaus disse que não tem nenhuma perspectiva de crescimento, devido o atual cenário político e econômico.

Cenário nacional

No âmbito nacional, as vendas no comércio varejista cresceu 1,2% no mês de junho. Já a receita nominal teve expansão de 0,8%. Na comparação com 2016, as vendas tiveram alta de 3% no volume e 2,4% na receita. Já no acumulado dos seis primeiros meses do ano, apesar de registrar queda de 0,1% no volume, houve alta de 1,9% na receita. Em 12 meses, a queda de 3% no volume e alta de 3,2% na receita.

Fonte: CDL Manaus

Compartilhar:

Notícias Relecionadas

Deixe um Comentário