Com empate de 1 a 1, Iranduba vence o Barezão Feminino e conquista o heptacampeonato

O resultado de um empate de 1 a 1 entre o Iranduba e o 3B deu ao Hulk da Amazônia o título de heptacampeão do Campeonato Amazonense de Futebol Feminino, o Barezão, que aconteceu na noite deste sábado (11) na Arena da Amazônia, em Manaus. Agora, o Iranduba possui sete títulos da competição: 2011, 2012, 2013, 2014, 2015, 2016 e 2017.

Os dois gols foram de pênalti: Djeni abriu o placar para o Iranduba aos dois minutos de jogo. Bianca, também de pênalti, empatou aos 40 do segundo tempo. Festa da torcida do Hulk que coloriu de verde a Arena, que recebeu ao todo 3.919 torcedores.

Quem começou com a bola foi o Iranduba, que em troca de passes rápidos chegou até a área do 3B com menos de um minuto de jogo. Andressinha levantou a bola para a área e Renata Costa tentou cabecear, mas a goleira Vivi se adiantou para afastar o perigo da área, colocando a bola para escanteio. Na cobranca, Renata Costa recebeu no meio da área, mas foi calçada por Carla dentro da área. O juiz Antônio Frutuoso marcou pênalti. Djenifer Becker cobrou e abriu o placar para o Iranduba aos dois minutos de jogo.

A partir do gol, o Iranduba adiantou a marcação e passou a cercar o 3B que tocava a bola tentando achar espaços, mas a boa marcação do Hulk dificultava a vida das Feras. Quando conseguiam, as finalizações não ofereciam tanto perigo. Carla chutou fraco e rasteiro, bola fácil para Rubi defender. Aos 15, Bianca chutou mais forte, mas a bola passou por cima do gol.

Jogando na base do contra ataque, Andressinha lançou bola para Kamilla avançar na esquerda. Ela chegou próximo à linha de fundo e rolou para Djeni, que sozinha perdeu a chance de ampliar o placar.

Quem também perdeu a chance de ampliar foi Mari, após receber de Andressinha dentro da área. Primeiro a camisa 7 chutou em cima de Vivi. No rebote, ela tentou encobrir a arqueira, mas o chute saiu forte e passou acima do gol.

Na segunda etapa, o 3B, que precisava da vitória, tentava uma reação. Foi aí que Rubi passou a aparecer no jogo. Por vezes a arqueira saiu da área, se adiantando às jogadas das adversárias e afastar o perigo. O Iranduba se postava todo no campo de defesa, mas mesmo assim, foram as guerreiras que criaram as melhores chances. Aos cinco, Kamilla entrou na área e chutou rasteiro. Vivi defendeu.

O 3B, por sua vez não se entregava. Gabi cobrou falta, a bola passou ao lado do gol. Duda, entrou na área, passando por duas adversárias, mas a zaga travou o chute. O Iranduba respondeu com Kamilla após receber bola na área, ficando cara a cara com Vivi, melhor para a arqueira do 3B.

O jogo que com passar do tempo ia ficando morno, porém, ganhou contornos emocionantes a partir dos 15 minutos finais. Aos 30, Kamilla foi expulsa após falta dura em Thaís. O 3B com uma a mais, não conseguia se sobressair. As coisas ficaram mais conplicadas quando aos 35, Thaís foi expulsa. As duas equipes ficaram com 10 em campo. O 3B permanecia com mais posse de bola, até que em um ataque, Renata Costa cortou a bola com a mão dentro da área. Pênalti. Bianca cobrou e deixou tudo igual e chegou ao 13° gol, se firmando na artilharia do Barezão.

O jogo ainda teve mais um cartão vermelho com a expulsão de Thaís Bordin aos 45 minutos.
Após o Iranduba se tornar o grande campeão do Barezão Feminino, os técnicos e as jogadoras dos dois times falaram da decisão.. O time do 3B gritava com orgulho: “É campeão invicto”, no momento da premiação, enquanto o time do Iranduba comemorava o título conquistado pelo Hulk.

“Eu me sinto uma campeã, independente do resultado do campeonato, porque fomos o único time que saiu invicto. Somos campeãs”, disse Viviane, goleira do 3B.

O técnico do 3B, Marcello Frigério, também se considera um vencedor por não ter perdido no campeonato. “Eu saio daqui como campeão, não perdi nenhum jogo, e não vou ficar falando mal de arbitragem, mas no jogo passado a arbitragem estava bem melhor, hoje errou um pouco”, destacou.

Fonte: Portal Acrítica

 

Compartilhar:

Notícias Relecionadas

Deixe um Comentário